Tecnologias na Educação: Ensinando e Aprendendo com as TIC

30/07/2014

As Sereias....

Karine, cursista de Lagoa Vermelha, como muitas outras colegas,  publicaram suas reflexões sobre o texto "Sereias do Ensino Eletrônico", Mapas Conceituais e Projetos, no ambiente e-proinfo. Optei por compartilhar neste blog  o da Karine, tomando como exemplo, e esperando que outros(as) colegas façam o mesmo no próximo encontro presencial ou antes aos que já são autores deste blog.
Sabemos que o AVA se encerra ao final do curso e através deste blog poderemos acessar as publicações de cada colega.

ATIVIDADE 1.5-CURSO TIC 2014 - REFLEXÃO SOBRE O TEXTO SEREIAS DO ENSINO ELETRÔNICO

1- REFLEXÃO- As novas tecnologias tem um grande potencial para trazer grandes mudanças á educação. Como a aprendizagem através das mídias tem gerado diversas interpretações, e aplicações indevidas, são propostos princípios para a construção de ambientes de aprendizagem alternativos, utilizando as tecnologias como matéria prima de construção e não só mídia de transição de informações. 
Muitas profissões foram seduzidas pelas sovas tecnologias da comunicação e da informação, estas tornar-se imprescindíveis, como verdadeiras SEREIAS encantadoras de massas via WEB. Passado o primeiro encantamento, percebeu-se o uso das novas tecnologias para agilizar operações no mundo finalmente vimos que pessoas não querem e não devem passar vinte e quatro horas do dia navegando, pois há outras finalidades na existência humana. 
As sereias encantam mais um público, os EDUCADORES, onde novamente o discurso de que tudo será transformado, nada sobrará do mundo antigo, quem não se adaptar morrerá. Quem será o mais beneficiado pela tecnologia na Educação?. 
Em princípio não basta introduzir tecnologias é fundamental pensar como elas são disponibilizadas, como seu uso pode efetivamente desafiar as estruturas existentes em vez de reforça-las. Mesmo uma escola bem equipada em termos tecnológicos apresentara uma série de restrições proibições ao seu uso, levando o aluno deixar de ver como um espaço de criação e sim como meras extensões de mecanismos tradicionais de vigilância e punição da escola. Conclui-se que o modelo de disponibilização de equipamentos e tecnologias em que escola e alunos são meros consumidores desses artefatos tecnológicos, sendo importante não só sua disponibilização como a decisão de utiliza-las. Por serem tecnologias de baixo custo, podem ser reinventadas no quintas transformando-nos em consumidores e produtores ao mesmo tempo. Quando qualquer sistema metodologia e tecnologia nos vê como consumidores bons parte de seu poder revolucionário se perdeu. 
A educação, porém não pode transformar seus atores em meros consumidores, pois afinal a educação por meios eletrônicos funciona desde que isto não ocorra. 
Isto acontecerá se em vez de criar proibições, estimular as possiblidades e a responsabilidade cidadão de cada aprendiz, em vez de testes de múltipla escolha, propor formas alternativas de avaliação de projetos, e não e pedaços desconexos de informação. Em vez de massificar o0 que já existe inaugurar um novo mundo de aprendizagem onde a personalização nãos seja um mero narcisismo consumista, mas possibilidade de expressão e colaboração, recuperando e valorização de sua função pública, inclusiva e de resistência. 

Mapas conceituais: 
São representações gráficas semelhantes a diagramas, que indicam relação entre conceitos ligados por palavras. São utilizados para auxiliar a ordenação e a sequenciação hierarquizada dos conteúdos de ensino. 
Esta abordagem está embasada em uma teoria construtiva, entendendo que o indivíduo constrói seu conhecimento e significados a partir da sua pré disposição para realizar essa construção. 


Projetos: 
Para elaborar um projeto em primeiro lugar os alunos devem escolher um tema de seu interesse. O tema escolhido deve ter um problema que desenvolve um processo de construção de conhecimento. A estrutura de um projeto deve conter introdução, objetivos Geral e específico, desenvolvimento e conclusão 

Nenhum comentário:

Postar um comentário